Startup x Empresa

Tem um tempo que a palavra ‘startup’ já não sai mais do vocabulário do mundo dos negócios. Mas o que será que define uma startup? Quando ela se torna uma empresa? Veja o que diz alguns especialistas.

“O contexto [de uma startup] é quase sempre o mesmo: por trás dela deve haver tecnologia, inovação, empresas em estágio inicial e ambiente de extrema incerteza”, diz Danielle Vieira, fundadora da Startup Sorocaba.

“Como elas estão a procura de uma inovação para escalar os negócios, há mais desafios do que certeza pela frente”, fala Ramon Kayo, fundador da Contate.me. Isso explica por que as chances delas fecharem suas portas são grandes, a maioria das startups que são criadas não conseguem se consolidar. O fato da maioria ser desenvolvida no ambiente virtual também não significa que elas devem ser empresas de internet. Kayo explica, “acontece que para escalar com velocidade, elas buscam desenvolver produtos que possam ser criados apenas uma vez e, a partir daí, entregues para todos os clientes”. A internet consegue fazer isso com muito mais facilidade do que o ambiente físico.

O consenso dos dois especialistas é que as startups se tornam empresas quando se consolidam financeiramente, quando encontram um modelo sustentável e escalável, isso também significa maturidade. Contudo, o consultor do Sebrae, José Carlos Aronchi, afirma que não é o volume de dinheiro e nem essa consolidação no mercado. “Um negócio pode ser chamado de startup se a identidade dele foi inovadora, se trouxer uma solução para algo, se tiver escalabilidade e se for aberto a investimentos”. Para ele, Google e Facebook, por exemplo, serão sempre startups.

As explicações se dividem, mas o conceito central que predomina está na arte de inovar. Sem essa palavrinha tão desejada pelos empreendedores, um negócio nunca poderá ser uma startup. De fato, não foi diferenciado exatamente na matéria uma startup de uma empresa. Mas e você, consegue definir quando uma startup perde suas característica e se torna uma empresa?

 

 

 

*Assunto extraído da Revista W

Compartilhe no Google Plus

Faça um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

MENU