Os Ubercapitalistas estão chegando

 

“Esse modelo [economia compartilhada] não vai parar nem que a gente tente impedir. É o caminho para evitar crises, pois ele equilibra melhor a oferta com a demanda, gerando maior produtividade”, diz a norte-americana Robin Chase, autora do livro Peers Inc. e uma das pioneiras desse assunto.

Nessa nova economia, a Revista HSM cita duas empresas que encabeçam esse contexto: o Uber – já avaliado em US$ 51 bilhões -, e a Airbnb – em mais de US$ 25 bilhões. Parte do sucesso dessas empresas é explicada por Chase. “Essas empresas economizam por um lado, ao usarem capacidades de outros, e também faturam mais, pois aumentam muito seu alcance e distribuição”.

Robin Chase também fundou a ZipCar – compartilhamento de carros – que revolucionou a locação de automóveis nos EUA; posteriormente a vendeu para a Avis. Ela diz que para as empresas tradicionais aplicarem esse novo conceito é preciso três mudanças essenciais:

  • Muda o que é considerada vantagem competitiva. “O que mais vale hoje, para qualquer empresa, é maximizar a quantidade de conexões, com pessoas, bens e conhecimentos de fora da organização”, diz Chase.
  • Tem que mudar a mentalidade, isso significa mudar a estrutura, cultura e orientação estratégica. – Parece ser difícil isso para uma organização, mas tomemos como exemplo a Netflix. “A empresa se estabeleceu como um negócio inicial tradicional, baseado em aluguel de DVDs físicos, e depois, virou essa empresa com mais de 62 milhões de assinantes em todo o mundo”, como explica a matéria.
  • E, por fim, aceitar o fim das barreiras de entrada, o que significa mudança regulatória.

Não digo que tudo isso será fácil para as empresas – ao adaptar seus negócios a nova economia -, para alguns profissionais – que terão que readequar sua atividade para não perder o emprego – e também o governo – ao regularizar as novas empresas e, enfim, propor regras a favor da inovação -.

Percebam que o início dessa revolução começou no trânsito, foi ao mudar a vida das pessoas e a rotina das cidades justamente em uma área que gera tanta dor de cabeça, transtornos e, com certeza, carente de melhorias. A economia compartilhada se fixa exatamente em cima disso, entre o equilíbrio das nossas necessidades e uma maior produtividade por parte das companhias; além do desapego, da maior colaboração e de um consumo consciente.

 

Obs.: Leia outras dicas aqui no blog de como as empresas podem começar a se adaptar a esse novo conceito.

 

*Assunto extraído da Revista HSM

Compartilhe no Google Plus

Faça um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

MENU