No Brasil é fácil roubar dados

Comentário da matéria “No Brasil é fácil roubar dados”

Revista Exame

 

Tantos posts sobre segurança na internet durante esta semana não é à toa. Aumentaram, e muito, o número e a complexidade de ciberataques neste ano e o Brasil está no topo da lista de países com internet mais vulnerável.

A Revista Exame entrevistou o russo Eugene Kaspersky, ex-agente da KGB e um dos maiores especialistas em segurança digital do mundo.“É uma questão cultural. O brasileiro é um povo curioso. Quando recebe um e-mail com uma mensagem sugestiva, não se segura e acaba clicando em fotos, o velho golpe”.

Por isto, Eugene Kaspersky sugere a educação das pessoas para que elas tenham mais receio e possam se proteger. Afinal, as ciladas aumentam a cada dia e estão cada vez mais codificadas.

Há três anos, detectávamos 70000 ataques de hackers a empresas por dia no mundo. Hoje, são 300 000. As técnicas dos criminosos também estão mais sofisticadas. Antes, criava-se um vírus para roubar a senha de clientes de banco e transferir dinheiro para contas de laranjas. Uma vez detectado, as empresas criavam uma vacina para o vírus e sanavam o problema. Hoje, muitos ataques a redes de empresas são de espionagem”.

Diante da entrevista e da seriedade do problema, precisamos mudar o hábito urgentemente. É preciso tomar cuidado, evitar clicks desconhecidos, instalar antivírus e programas de rastreamento. Neste ranking no topo de crimes cibernéticos não queremos estar e podemos evitar a liderança.

 

 

Compartilhe no Google Plus

Faça um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

MENU