Convergência une software e aparelho em um só negócio

Comentário da matéria “Convergência une software e aparelho em um só negócio”

Jornal Valor Econômico

 

Deparamo-nos nesse momento em um mundo verdadeiramente convergente. A união da Motorola com o Google, e da Nokia com a Microsoft, comprova que hoje não a mais distinção entre a forma e a função, ou seja, entre hardware e software.

Hoje, apenas dois “ecossistemas” móveis floresceram: o iOS, da Apple, e o Android, do Google. O colunista do The Wall Street Journal, Dennis Berman, cita algumas considerações importantes a respeito desse novo patamar.

Para Berman, as companhias estão agora tentando se tornar melhor no outro lado do negócio. “O Google fez uma aposta ao comprar a Motorola para se tornar melhor em equipamento. A Samsung tem se mostrado magistral e pródiga no que se refere ao marketing. A Apple tem que atualizar uma plataforma de software e serviços que está estagnada. A compra da Nokia pela Microsoft é ímpar porque nenhuma delas tem se mostrado hábil em equipamento nem em software”.

Outra questão é sobre a parceria entre a Samsung e o Google. As duas empresas juntas conseguiram conquistar quase 80% do mercado de smartphones com o Android. No entanto, a Samsung já está tentando criar seu próprio sistema operacional com a Intel, chamado Tizen. Do outro lado, o Google com a compra da Motorola se precaveu, caso a Samsung queira um rompimento no futuro.

E quem será os concorrentes da Apple e do Android? Para o colunista, empresas como a Huawei, Lenovo, ZTE e China Wireless Technologies são os grandes potenciais para a competição. Isso porque elas estão na China – lugar onde estão os novos compradores de smartphone -, além de terem se associado fortemente com o Android.

Você concorda com Berman? Em minha opinião o colunista fez uma análise muito boa sobre o futuro – talvez não muito distante – desse setor. Uma dúvida que persiste é: Os usuários gostam da Samsung ou do Android? Como vimos na matéria, pode ser que essa parceria que já fez muito sucesso se rompa futuramente. Se isso acontecer, como será a vida dessas duas gigantes?

Compartilhe no Google Plus

Faça um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

MENU