Salto do PIB goiano

Goiás está entre os Estados com maior crescimento econômico no País. Esta informação foi divulgada recentemente pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Os números comprovam avanço de 8% do Produto Interno Bruto (PIB) de 2007 para 2008, e a duplicação do valor entre os anos de 2002 a 2008. Ocupando o nono lugar no ranking dos Estados com economias mais prósperas do Brasil, Goiás está inserido em um panorama propício ao desenvolvimento, com possibilidade real de multiplicar seu PIB nos próximos anos.

Neste contexto, analisar as experiências de sucesso e as oportunidades no mercado garantirá continuidade no ritmo que permitiu ao nosso Estado ter uma das economias de destaque no País, com alto índice de geração de riquezas.

O agronegócio, as indústrias farmacoquímicas e a construção civil são alguns dos eixos motores que aceleraram a economia goiana e prometem prosperar ainda mais.

Entretanto, o avanço de mais posições no ranking da economia brasileira está diretamente relacionado com a transferência de tecnologias e conhecimentos para o setor produtivo de forma eficiente e contínua, o que consequentemente estimula a produção, agrega valor ao resultado final e prepara as empresas para um nível de competitividade nacional e internacional.

Em Goiás existem instrumentos, oriundos das políticas públicas implantadas entre os anos de 1998 e 2010, que visam aproximar o setor produtivo do conhecimento e da tecnologia. Isto significa que não é necessário criar novas fórmulas, mas fortalecer os processos existentes e incrementá-los.

As unidades de ensino da Universidade Estadual de Goiás (UEG), a Fundação de Amparo a Pesquisa (Fapeg), os Arranjos Produtivos Locais (APLs) e a Lei da Inovação são algumas das atividades que, se reorganizadas, podem estimular o potencial de regiões estratégicas no Estado, bem como tornarem-se ferramentas que oportunizam a transferência direta de ciência e tecnologia aos empresários, com fomento à inovação e ao desenvolvimento contínuo.

Nesta perspectiva, Goiás possui aparato para continuar avançando e colocar como próximo passo para seu desenvolvimento a implantação de Parques Tecnológicos – uma ação bem-sucedida em diversas partes do mundo que reúne em um mesmo ambiente empresas, universidades, instituições públicas e entidades organizadas. Esta união incita experiências colaborativas na transferência direta de conhecimentos e tecnologia ao setor produtivo. Os Parques Tecnológicos exemplificam a conjunção de fatores estimulantes à economia: investimentos, infraestrutura, conhecimento e interação.

Recentemente, a Universidade Federal de Goiás (UFG) anunciou a implantação do primeiro Parque Tecnológico do Estado, no Câmpus Samambaia, em Goiânia. Um grande incentivo para acreditar que Goiás já se prepara para uma nova realidade econômica. Para disseminar o avanço, propõe-se a descentralização, em que haja um Parque Tecnológico central e maior, orientador de várias unidades implantadas em diversos locais do Estado, de acordo com a vocação de cada região, o que inegavelmente estreita os laços entre ciência, tecnologia e o empreendedor. Assim, Goiás será pautado e reconhecido por uma economia moderna e interativa pelos agentes da inovação e do desenvolvimento, proporcionando resultados cada vez mais velozes. E o melhor: com alta qualidade, oriunda da diversidade sistêmica e da agregação de valores aos produtos.

Infraestrutura, educação e tecnologia são vertentes essenciais ao desenvolvimento da economia e estão totalmente interligados de modo sistêmico e transversal. Considerando isto, Goiás alcançará o nível mais significativo de sua economia, com possibilidade real de ocupar o quinto lugar no PIB brasileiro.

Goiás deve se espelhar em experiências de sucesso, como a atenção concedida à tecnologia e inovação em Santa Catarina, sexto lugar no ranking dos Estados mais ricos. Florianópolis é considerada a capital da inovação no Brasil. Tudo isto elimina barreiras, socializa o desenvolvimento, gera novos empregos com renda acima da média, proporciona gestão eficiente, metodologias práticas.

Goiás caminha para uma economia de um mundo moderno, que foca na sustentabilidade nos macro e microambientes, refletindo na emancipação das pessoas e no orgulho em pertencer a tal nível de evolução.

Reilly Rangel

* Artigo publicado no jornal O Popular – 27/11/2010

Compartilhe no Google Plus

Faça um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

MENU