“No Google, incentivo à inovação é radical”

 

Um dos maiores especialistas em robótica do Vale do Silício, Sebastian Thrun, fala sobre um futuro próximo recheado de mudanças que envolvem especialmente a indústria automobilística.

Professor da Universidade de Stanford, Sebastian também fundou o Google X, que responder pelos projetos ousados da empresa, e a Udacity, escola de programação que ensina através da internet. Recém-lançada no Brasil, a escola ministra cursos por um preço muito barato ou gratuito.

“No mínimo dois terços da população mundial não têm acesso a uma grande universidade. A ideia da Udacity é levar educação para todo mundo. E educação é a chave para prosperidade. […] Nosso foco é capacitar pessoas, de todos os países, para que consigam bons empregos nas novas indústrias”, afirma Sebastian.

A educação é realmente a chave para um novo mundo, e aproximar as pessoas às novas tendências é um projeto muito válido em longo prazo. A Udacity atua nesse sentido ao oferecer, por exemplo, como programar um carro autônomo. “Larry Page, meu amigo e cofundador da empresa, acha que nem universidades nem empresas estão fazendo o trabalho necessário de inovação. Então o objetivo dele é botar uma quantidade grande de dinheiro nisso”.

Ainda tem muita coisa nova para acontecer, Sebastian acredita que de todas as grandes tecnologias que ainda serão inventadas, apenas 1% surgiu. No que se refere aos carros, em breve estaremos circulando em veículos autônomos que serão metade computador, metade automóvel. “A verdadeira revolução é que você não terá mais um carro. Você sai de cada, chama um automóvel pelo celular. Ele vem, você entra, salto no destina e dá adeus”.

Nós poderemos interagir com os carros, mandar um e-mail enquanto não chega a um lugar ou quem sabe usar as telas de toque no painel para acessar a web. “A maioria dos estacionamentos deixará de ser necessária. As ruas ficarão mais limpas, ganharão espaço. […] Precisaremos de apenas 20% dos carros que temos rodando hoje no mundo”.

É por isso que o avanço dessa tecnologia vai modificar diversos setores. É errôneo pensar que diante de uma grande revolução apenas um mercado sofre alterações, como o automobilístico. Outros nichos ligados a ele também passam pelo processo, por exemplo, as seguradoras, o transporte, a profissão de motorista e taxista, os estacionamentos privativos, o meio ambiente, etc.

A inovação é um processo indispensável para o desenvolvimento do nosso sistema. Garantir o investimento necessário nessa área é um desafio tanto para governos, empresas e universidades. Confiar no potencial de grandes inovações também é algo desafiador. Como diz Sebastian: “Quando falei em veículos autônomos pela primeira vez, há dez anos, até gente que conhecia a tecnologia automobilística ria”.

 

 

 

*Assunto baseado na reportagem da revista Época Negócios

 

Compartilhe no Google Plus

Faça um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

MENU