O terror dos hóteis

Você já utilizou o Airbnb para se hospedar?

Pois eu já utilizei o serviço e posso ser testemunha da funcionalidade do aplicativo em permitir o aluguel de uma hospedagem e da experiência bem-sucedida da estadia.

Este poderia ser só mais um caso particular, mas a verdade é que o movimento de compartilhamento de quartos e imóveis é muito próspero e a companhia Airbnb sabe gerir este negócio.

A Revista Época fez uma extensa e detalhista matéria sobre o Airbnb – a maior empresa global de hospedagem frente às redes hoteleiras tradicionais. “Ela simplesmente transforma imóveis ociosos em acomodações”, conforme trecho da reportagem.

A Airbnd teve receita estimada em US$ 250 milhões no ano passado. Já são mais de 800 mil quartos espalhados pelo mundo. Receberam mais de US$ 700 milhões de investimentos de fundos e seguem como ícone da nova onda do compartilhamento.

Os hotéis resistem, brigam e se defendem. Porém, não oferecem vagas o suficiente para abastecer todo o índice de pessoas que buscam por hospedagem. Sendo assim, a Airbnb trabalha com público afoito não só um local para dormir, mas sim por uma experiência de viagem.

E o Brasil é o queridinho da vez. O próprio poder público tem incentivado o uso do Airbnb devido à carência de vagas. O que justifica a inauguração de uma sede no Rio de Janeiro (RJ).

Todo o serviço de hospedagem qualifica-se diante desta evolução do mercado e das novas exigências dos viajantes. Existem mudanças que exigem adaptação dos players. Este case demonstra o quanto é urgente habituar-se, ou melhor, antecipar-se às tendências tecnológicas e comportamentais do consumidor.

Fonte: Revista Época

Compartilhe no Google Plus

Faça um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

MENU