É preciso reinventar a roda

Comentário da matéria “É preciso reinventar a roda”

Revista Info

 

“Vou destruir o Android, porque é um produto roubado. Estou disposto a entrar em uma guerra nuclear por causa disso”, disse Jobs ao seu biógrafo, Walter Isaacson. Tal frase reforça a cultura da Apple, uma empresa que aposta na inovação e na patente da mesma.

Não é à toa que um dos principais julgamentos sobre direitos autorais e patentes ocorreu entre Apple e Samsung. A empresa da maçã patenteou uma série de funcionalidades, como o movimento de deslizar um retângulo para destravar a tela ou o de pinça para dar zoom. Com isso, acusou a concorrente de copiá-la.

Na decisão inicial, ficou determinado que a Samsung infringiu ao menos seis  patentes da Apple, que, por sua vez, não violou nenhum dos direitos da empresa sul-coreana. A sul-coreana deverá pagar US$ 1,049 bilhão para a americana. A decisão ainda cabe recurso.

Grande prejuízo para a Samsung? Talvez o valor não mexa tanto nos cofres da sul-coreana, mas possa impactar no acesso do usuário às tecnologias de ponta. “As patentes, criadas para proteger a inovação, serviriam também para bloquear a competição entre as empresas. E restringiriam o acesso do consumidor a melhorias” – descreve a matéria “É preciso reinventar a roda”, publicada pela revista Info.

As leis americanas permitem o registro de inovações e descobertas em software, ao contrário do Brasil. Entretanto, o que é resolvido nos Estados Unidos, maior produtor de tecnologia, tem impacto no mundo todo. Por isto, se faz tão importante refletir sobre as leis da propriedade intelectual. Até que ponto o direito autoral não interfere na geração de conhecimento e transferência de tecnologia?

O mercado de tecnologia implica em uma liderança baseada em inovação. Porém, é preciso deixar registrado a efemeridade das novidades neste segmento. O curto ciclo de vida não isola ninguém na posição de liderança. Buscar inovação é uma constância nas empresas de tecnologia, que agora, mais do que nunca, devem manter-se atentas também à legislação.

 

Compartilhe no Google Plus

Faça um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

MENU