Fracassos também são glórias

 

Ao presenciar o crescimento de uma empresa é mais fácil concluir que ela está rodeada de sucessos e de investimentos certeiros, do que de derrotas. Contudo, quase sempre não é assim.

O ano de 2016 foi marcante para a Tron Informática, empresa que ajudei a fundar, pois retrata o período em que nós mais acreditamos e investimos em outras empresas do ramo de tecnologia; demos saltos significativos e esperamos continuar evoluindo. Olhando, por exemplo, o case da Tron, a primeira ideia que vem a cabeça de muitas pessoas é que o nosso caminho é trilhado apenas por sucessos.

Se isso fosse realmente verdade, talvez não estivéssemos hoje em uma posição mais otimista. Tirar só nota 10 nem sempre é sinônimo de vitórias, o fracasso é igualmente importante. O primeiro ganho consequente das tentativas erradas é o aprendizado, algo que na maioria das vezes a gente só entende quando realmente vivência tal experiência. Se houver foco e determinação, acredito que os erros aumentam as chances de encontrar o percurso que nos levam aos acertos, vocês concordam?

Para exemplificar o que estou dizendo, decidi mostrar a vocês três fracassos que compõem a minha vida profissional. São investimentos da Tron que não deram certo: Soongz, Phonus e Holmes.

O Soongz era um player de música, assim como temos hoje o Spotify. Os usuários podiam baixar de forma gratuita as músicas e também interagir com outras pessoas diretamente na plataforma. A ideia tinha tudo para dar certo, especialmente porque era um mercado que começava a ganhar força. O Soongz chegou a faturar até R$40 mil em um mês.

Por que falhou?

  • Ausência de conhecimento sobre acelerar empresas – ainda não estávamos familiarizados com este ecossistema;
  • Necessidade de investimentos altos;
  • Falta de contato/acordos com as gravadoras.

 

O Phonus servia para que as empresas pudessem conferir se a conta de telefone que pagavam estava correta, em outras palavras, uma gestão de custos em telefonia.  Ele era um produto com serviço.

Por que falhou?

  • A Tron é uma empresa de software e não de serviço;
  • Quase ninguém entendia sua função;
  • Processo complexo, pois era preciso vender o produto e treinar as pessoas;
  • Ausência de escala.

 

O Holmes fazia a gestão e monitoramento de redes sociais. Era possível verificar as menções sobre uma empresa nas redes, se eram positivas ou negativas, e assim ter uma reação imediata com as pessoas.

Por que falhou?

  • Falta de monetização; não encontramos um nicho específico para agir;
  • Perdemos o timing.

 

Compartilhe no Google Plus

Faça um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

MENU